As e o índice de masculinidade (ou dos sexos),

As técnicas de
análise da qualidade da informação dos dados demográficos pelo recenseamento
são três: o índice de Whipple, o índice de Irregularidade e o Índice Combinado
das Nações Unidas. O Índice de Whipple, embora não tenha como finalidade a
analíse global da qualidade de um recenseamento, procura demonstrar se existe
ou não determinado tipo de distorções, muito frequente em países ou épocas com
estatísticas e má qualidade e uma atração por números acabados em 0 e 5 que lhe
serve de medida. Muitas vezes as pessoas dificultam declarar a sua idade com
exatidão e são atraídas por números acabados em 0 ou 5 ou pares, e um índice de
variação entre 100 ausência total de concentração e 500 todas as pessoas
admitem idades terminadas em 0 e 5. As Nações Unidas fizeram uma tabela de base
empírica de modo a permitir interpretar a validade dos resultados obtidos, para
dados muito exatos, <105 até dados muitos grosseiros,> 175. O índice de
irregularidade mede todo o tipo de atrações, por exemplo, pelos números pares e
ímpares, pelo número 0, pelo número 5, pelos números terminados em 1,2,3 e
verificar se existe ou não uma concentração em determinadas idades. O índice de
irregularidade constrói-se da seguinte forma calcula-se o número de pessoas com a idade cuja atração se pretende
medir; calcula-se a média aritmética do número de pessoas com as 5 idades que
enquadram a idade que se pretende analisar; calcula-se o índice, que quanto
mais o II se afasta de 100 mais demonstra a força da atração. O Índice
Combinado das Nações Unidas, permite
“medir a qualidade global de um recenseamento” (Nazareth, 2010:142), ao
contrário de outros índices com atração por determinadas idades, pela
conjugação de três indicadores, o índice de regularidade de idades um para cada
sexo e o índice de masculinidade (ou dos sexos), possibilitando realizar
comparações relevantes espácio-temporais. De utilização comoda mas prudente dado poder ocorrer distorções nas
variáveis, mortalidade, nascimentos e na corrente migratória e conduzir a erros do
recenseamento. Para realizar este indicador implica preparar os dados de forma a
ocorrer uma distribuição da população por sexos e grupos de idades quinquenais
não passando os 80 anos de idade. Calcula-se a
relação de masculinidade de cada grupo de idades dividindo os efetivos
masculinos pelos femininos e multiplicando o resultado por 100, somam-se em
módulos e calculamos a diferença média para se obter o índice de regularidade
dos sexos. Ao calcular o índice de regularidade das idades, divide-se “cada
grupo de idades pela média aritmética dos dois grupos que o enquadram, depois
fazem-se as diferenças a 100 e faz-se a média das diferenças absolutas”.
(Nazareth pp.143). Segundo Nazareth (2010:143), “O ICNU obtém-se dando um coeficiente 3 ao obter o índice de
regularidade dos sexos e coeficiente 1 aos dois índices de regularidade das
idades”. De modo a simplificar a análise existe uma grelha ordenada das Nações Unidas para aferir os dados,
em que, <20- Bom; 20-40 – Mau;> 40- Muito Mau. A Equação de concordância
verifica se existe uma concordância entre os vários sistemas de informação
disponíveis, um índice de qualidade do estado civil e os três índices de
qualidade dos recenseamentos. Construído entre dois recenseamentos, pelo
aumento ou diminuição da população permite a equação: crescimento entre recenseamentos=
C. Natural + C. Migratório.